FANDOM


O movimento de Altruísmo Eficaz tem crescido rapidamente desde seu surgimento por volta de 2011, e hoje conta com membros espalhados em muitos lugares do mundo.

Breve história do Altruísmo Eficaz

Veja História do Altruísmo Eficaz.

Ideias relacionadas a altruísmo eficaz, tanto nos seus aspectos mais filosóficos, como nos mais práticos, circulam pelo menos desde o século XIX, entre filósofos utilitaristas e no movimento de filantropia científica[1], e foram promovidos na segunda metade do século XX por filósofos como Peter Singer e Peter Unger. Entretanto, o movimento atual de Altruísmo Eficaz surgiu no início do século XXI.

O desenvolvimento de estudos controlados feitos sobre intervenções de combate a pobreza, e a constatação de que muitas intervenções eram ineficazes, motivou o uso de métodos rigorosos para avaliação de impacto e a criação de organizações com a finalidade de promover filantropia de alto impacto: o Center for High Impact Philanthropy (2006) na Universidade da Pensilvânia, a GiveWell (2007) fundada por Holden Karnofsky e Elie Hassenfeld, a Giving What We Can (2009) fundada por Toby Ord, a The life you can save (2009) fundada por Peter Singer, e a 80.000 hours (2011) por William MacAskill e Benjamin Todd.

As organizações com objetivo em comum e as muitas pessoas que se filiaram se comprometendo a doar uma fração de sua renda para combater a pobreza deram origem à comunidade de Effective Altruism, cujo nome se consagrou em 2011 por influência do Centre for Effective Altruism.

O movimento cresceu e se difundiu bastante a partir de 2013 com o TED Talk de Peter Singer, a criação de sites como o EA forum e o EA Hub e a publicação de novos livros sobre o tema como Doing Good Better (2015) por William MacAskill e The Most Good You Can Do (2015) por Peter Singer, atraindo a atenção da mídia e de pessoas influentes.

Perfil dos AEs

EA survey 2015

A EA survey de 2015, uma enquete feita em novembro de 2015 com 2352 membros do movimento constatou algumas características demográficas: [2]:

  • Em maior parte localizados nos EUA (48%) e Reino Unido (18%). Mas com participações consideráveis também da Austrália (6%), Alemanha (5%) e Canadá (5%). O Brasil tem 0.86%. Membros de mais de 50 países responderam.
  • As cidades com mais AEs são a Bay Area de São Francisco e Londres, seguidas por Boston e Nova York.
  • Aproximadamente 3 homens para cada mulher.
  • Idade mediana de 26 anos.
  • 37% são estudantes.
  • 13% pretendem ou trabalham diretamente em ongs e 36% em outras áreas para doar sua renda.
  • 23% trabalham com programação e 12% tem alguma formação em filosofia.
  • 87% não religiosos, 9% cristãos, 3% judeus, 2% budistas e 1% outros.
  • 69% adotam éticas consequencialistas, 5% adotam éticas de virtude, 3% éticas deontológicas.
  • 39% são vegetarianos e destes metade são veganos.
  • 34% dos AEs vêem o Altruísmo Eficaz como uma oportunidade, 21% como uma obrigação e 42% como as duas coisas.
  • AEs doaram US$6,32 milhões em 2014.
  • A doação anual mediana foi de US$333. A de estudantes foi US$100, enquanto a de não estudantes foi US$1000.
  • A porcentagem da renda doada mediana foi de 3%. 25% doaram 1% ou mais da sua renda. 10% doaram 10% ou mais, 0.78% doaram 50% ou mais.
  • As instituições recebendo mais doações foram AMF (muito mais), SCI, GiveDirectly, GiveWell, DeWorm The World e MIRI.
  • Pobreza foi de longe a causa mais popular. Outras causas apoiadas foram priorização de causas, ambientalismo, futuro da humanidade, meta-caridade, política, racionalidade e causa animal.
  • As causas mais vetadas foram inteligência artificial, política e causa animal, mas também com uma porcentagem considerável em ambientalismo, racionalidade e futuro da humanidade.

Futuro do movimento

Veja também

Links

Referências

  1. "Scientific Philanthropy," 1873-93. Robert H. Bremner. Social Service Review. Vol. 30, No. 2 (Jun., 1956), pp. 168-173
  2. EA Survey 2015 - Effective Altruism Forum